Veja como para participar. Clique aqui!

OS ARTIGOS AQUI PUBLICADOS SÃO DE RESPONSABILIDADE DO AUTOR

Última revisão: 21 de março, ano 2007

12 DE OUTUBRO

NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO APARECIDA

Virgem Aparecida, nós te aclamamos bem-aventurada porque o Senhor fez em ti maravilhas (Lc 1,49)

       Hoje, olhamos para Maria sob a invocação de Aparecida tão cara ao coração do nosso povo. Virgem negra, surgida das águas, na rede de humildes pescadores como que a delinear a sua missão entre nós: estar no meio do povo, das pessoas simples, dos marginalizados sem voz e sem vez. Seu canto, o Magnificat, é o espelho de sua alma simples, convencido de que o Senhor olhou para a sua humildade. Na verdade, como a nossa gente pobre, ela é uma mulher do povo, nascida em uma pobre e obscura aldeia cujo nome, provavelmente nem constava nos mapas da época.

Neste dia em que celebramos a Virgem da Conceição Aparecida, vamos refletir sobre o Magnificat, buscando ler no íntimo de seu coração o segredo de sua fé e de sua abertura para Deus. O canto de Maria é um grito de fé e esperança. Ele revela-nos Maria realizada e feliz cantando a alegria de sua fé, caminhando com o seu povo no processo de libertação. Transborda, na alegria da Visitação, a silenciosa fé de Nazaré em que creu que "para Deus nada é impossível" e pronunciou o seu Fiat generoso. Ela se apresenta para nós como o modelo dinâmico de quem quer amar, servir, encarnar Cristo Palavra.

Maria sente-se feliz, amada, realizada porque Deus a escolheu. Revela a sua profunda experiência de Deus, transborda a sua intimidade. Sua alegria testemunha o amor eterno de Deus e a história humana toma um rumo diferente. Surgida das águas, ela tornou-se para os pobres pescadores e, depois, para "as gerações" um sinal de esperança. Ela é o caminho que conduz ao caminho.

"Fez em mim grandes coisas" canta a Virgem reconhecida. Deus, o todo-poderoso, a fez poderosa para os seus filhos. Ela é mãe e rainha, esmagou a cabeça da serpente e coloca-se à frente de cada um de nós como mão estendida.

Na vivência da Palavra que nela torna-se carne, ela se realiza, reencontra-se, sente-se plenamente mulher, e seu Filho, ela o dá continuamente aos homens.

Aparecida, surgida das águas, ela é fonte borbulhante em que vamos haurir o mistério da fidelidade. Em Nazaré, na Visitação, em Belém, no Egito, em Caná...Sua presença garante a presença de Jesus. É uma presença - dom, fé - resposta e abertura. Não fala muito porque ela nos doa a Palavra eterna. A Aparecida nas águas nada diz, ela se oferece a nós e nos aponta Jesus.

Em Maria, todo sofredor se sente acolhido, restaurado na sua dor, reanimado na esperança. Ela sabe que Deus é fiel e que ela é chamada a apressar o dia do novo reino. "Derrubou os poderosos de seus tronos e elevou os humildes" (Lc 1,52).

Cada um de nós deve olhar Maria como Modelo de liberdade interior; livre do mal, do pecado, do egoísmo, ela é libertadora - Nossa Senhora da Libertação.

O Magnificat é o caminho da liberdade. Nele redescobre-se etapas de um processo libertador:

Maria sente-se amada por Deus;

Correspondendo a este amor realiza-se,

Assume a sua vocação. Gerando Cristo

Denuncia as injustiças que fere seu povo, anuncia a libertação,

Identifica-se com os pobres e sofredores,

Ensina-nos, com o seu testemunho, a fidelidade a Deus que faz a história; mulher livre-libertadora,

Doa-se gratuitamente na pura oblação.

O meu Magnificat

A minha alma exulta de alegria,

O meu espírito canta as tuas maravilhas, ó Senhor.

Tu me chamaste à vida,

Escolheste-me para construir teu reino, chamaste-me a servir os irmãos levando-os ao teu amor.

Tomaste a minha pobreza e limitação,

Pura transparência da tua luz, do teu amor. A tua palavra fiel para sempre opera em mim maravilhas.

Mão estendida para os pobres,

Coração aberto para os sofredores, olhar sereno para os tristes,

Palavra de coragem para os desanimados,

Amor, paz, justiça para todos,

Cristo vivo e encarnado no meio do povo, eu quero ser.

Contigo, ó Maria Aparecida, mulher surgida das águas,

Esperança de libertação para o teu povo,

Mãe e senhora de meu povo, minha mãe.

Eduardo Rocha Quintella

Fraternidade S.J Da Cruz - O.C.D.S. – B.H.

Adorador Noturno da Catedral Nossa Senhora Da Boa Viagem

E–mail: eduardoquintella@terra.com.br 

Tel: (oxx31) 3484 – 8507

Belo Horizonte M.G.

Para Imprimir

Arquivo *.doc

Clique aqui!